sábado, julho 08, 2017

Chapa Zero - "Fia-te Na Virgem E Não Corras" (review ao disco)


Já está disponível o segundo álbum dos lisboetas Chapa Zero.

Após o álbum homónimo (lançado em 2014, podem ver referência no Billy News, aqui), a banda sofreu algumas alterações nos elementos, mantendo-se Kaveirinha como único membro da formação inicial.

Este "Fia-te Na Virgem E Não Corras" traz exactamente isso, uma sonoridade algo diferente, mantendo o estilo e personalidade dos próprios Chapa Zero, mas com algumas novidades.



A começar logo pela voz, algo ´tratada` e cuidada na gravação, tal como a produção em si (guitarras e resto dos instrumentos, mérito com toda a certeza de Emanuel Ramalho, produtor ligado a várias bandas, entre as quais Peste & Sida, no primeiro e último álbum lançados).

"Zé Faísca" abre o álbum, tema simples, muito animado, corrido e com balanço.

Já conhecido nas actuações ao vivo é a faixa seguinte, "Chapa Gasta" é uma espécie de ´apelido` da banda, «chapa ganha, chapa gasta, andamos todos à rasca». Bom tema, sem dúvida.



"Tens A Mania" relembra-nos o excelente «Queres É Aparecer» (do primeiro disco), numa temática muito semelhante, com uma musicalidade simples que inclui solos despretensiosos.

Logo de seguida vem "NuKu Da Europa" (uma alegoria ao nosso país), numa toada simples, a fazer lembrar ritmos ska brincalhões, ouve-se «nos confins da Europa há um país dos pequeninos onde qualquer matreco é doutor ou engenheiro..

Menos feliz é "Vão Trabalhar", a mensagem mordaz está lá, mas usa e abusa do refrão (musicalmente não é nada de especial, não é horrível mas não cativa).

Ideia feliz foi trazer um tema popular (ou tradicional, como queiram chamar) para um ritmo punk rock, "Zumba Na Caneca" (da Tonicha) é festivo, tem velocidade e anima qualquer festa. Gosto de pensar que este tipo de versões torna-se melhor ao vivo, com o calor das actuações, mas na verdade em algumas bandas tornou-se um tema clássico e imprescindível nos concertos (de recordar «A Minha Casinha...» dos Xutos, «Vamos Lá Saindo» dos Peste ou mesmo «Alecrim» dos Censurados).



Interessante é "Fim Da Noite", outra faixa que cativa facilmente.

"Deix´ós Falar" traz novo tema demasiado simplista (a começar pela letra), com o baixo a segurar o ritmo.

Perto do fim, surge o tema título, "Fia-te..." é em parte um devaneio sonoro, um tema diferente da toada Chapa Zero. Há coros, baixo e solos de guitarra com um feeling algo incomum (que poderia ter finalizado o álbum).

O tema final é "Bate-Chapa", uma faixa metal que agradará com certeza aos aficionados desta sonoridade. Há velocidade, há efeitos de som (em jeito de ´bater na chapa`), solos ´metalizados`, com certeza uma abordagem diferente, que a banda decidiu arriscar (faz bem pela diversidade, apesar de não ter especialmente apreciado).


No disco, Kaveirinha é acompanhado pelo bluesman Marco António (guitarra e coros), Nuno Amaro (bateria e coros) e ainda por Filipe Rodrigues (baixo e coros).

São cerca de 29 minutos divididos por dez temas, como referi com uma identidade algo renovada da banda de Lisboa.

Mas sempre sem comprometer a essência e espírito que sempre foi o ex-libris dos Chapa Zero, ou seja, a crítica social, uma agressão verbal a sectores da nossa sociedade, a simplicidade da música sempre directa e in your face,  (afinal o apanágio da estética punk).

No álbum, a nível lírico sente-se algum abuso dos refrões, mas é obviamente uma opção.

Gostei do disco, creio que é fácil aos aficionados de punk rock apreciarem o álbum na primeira audição. Agora, já sabem... fia-te na virgem e não corras!

                                                                CD "A Moca Da Foca" (2017)




Podem obter mais informação sobre os Chapa Zero e mesmo acompanhar as actividades da banda, clicando aqui!

Podem também ouvir excertos dos temas deste trabalho acedendo aqui!

Já abaixo, podem ver vídeo de uma das faixas do disco...










Sem comentários: